Áustria

Viena: Dicas úteis

Dicas úteis para viajar para Viena

Viena é a capital da Áustria e por vários anos consecutivos foi considerada a melhor cidade do Mundo para se viver. E já vão perceber o porquê. É de facto uma cidade incrível!

É tida como uma cidade limpa, organizada, charmosa e acolhedora! Arrisco a dizer que os dois dias que estive em Viena vi dois ou três pedintes. Não mais que isso. E sem-abrigos tampouco! O que é raro em grandes cidades isso acontecer. Não é à toa que é considerada a melhor cidade para se viver.

Capital da Música

Dotada de uma elegância única, Viena de Áustria como é muitas vezes chamada, possui palácios luxuosos e uma cultura musical inigualável. Considerada a capital da música, foi palco para vários artistas que marcaram a história da música, tal como Mozart, Strauss e Beethoven.

Aqui podemos encontrar a Orquestra Filarmónica de Viena, que é considerada a melhor orquestra do Mundo.

Também a valsa, “dança oficial” de qualquer casamento que se preze, nasceu em Viena. Existem vários espectáculos e escolas de dança, onde é possível aprender a dançar valsa.

Moeda

A moeda oficial é o Euro. Para quem vem da vizinha Budapeste, em que tudo é barato, Viena apresenta valores mais altos. É realmente uma cidade muito bonita, mas cara!

Os cartões de crédito como VISA e Mastercard são aceites e as máquinas multibanco também são fáceis de encontrar.

Idioma

A língua oficial na Áustria é o alemão. Uma língua muito difícil, especialmente para quem nunca teve contacto com o idioma. Ainda assim, o inglês é bem aceite e falado por quase todos.

Como algumas pessoas ainda confundem Áustria com Áustrália nas lojas da cidade podemos ver vários objectos (canecas, camisolas, porta-chaves, etc.) a brincarem com essa situação. 😛

Transportes Públicos

A cidade está muito bem servida a nível de transportes. O nosso meio de transporte preferencial foi o metro e o metro de superfície (que usámos apenas uma vez).

Cada bilhete de metro custa 2,20€. Nós optámos por comprar o passe para três dias (17,10€). Mas verdade seja dita, não percebi bem porquê. Pode consultar aqui os vários preços praticados.

Como já tinha referido noutro post, em Budapeste há seguranças em todo o lado e mais algum a verificar se de facto temos o bilhete do transporte dentro da validade. Em Viena não. Não vi uma única fiscalização dos bilhetes, nem há cancelas em que temos de picar os bilhetes. Nada! Desconfio até se metade daquelas pessoas que utilizavam os meios de transporte teriam comprado bilhete. Ou então é o meu pensamento tuga que me leva a pensar assim. As pessoas podem até ser muito mais civilizadas, e sim, respeitarem esse aspecto. Não sei, mas adiante!

O primeiro metro que apanhei na cidade foi o que me levou de Erdberg (estação de autocarros) até Ottakring, onde se situava o meu hotel, o Hotel Hadrigan.
A primeira impressão foi: limpo, organizado e novo. Estava super bem estimado, e admirem-se, havia funcionários de limpeza em várias carruagens de metro a apanhar o lixo. Contrassenso será dizer que se fossem assim tão civilizados, supostamente não se encontraria ali lixo algum. Mas a verdade é que numa pequena distracção podemos deixar cair algo, e ali estavam os senhores a fazer o seu trabalho. Achei magnífico!

Alojamento

Nós ficámos hospedados no Hotel Hadrigan. O hotel situa-se um pouco afastado do centro, mas apanhando o metro chegamos lá num instantinho. E porquê ficar afastada do centro? Por uma única e só razão: o preço. Os preços dos alojamentos são absurdos (pelo menos para a minha carteira, claro). Apesar do Hotel Hadrigan ficar um pouco mais afastado do centro, acho que não foi uma má escolha, tendo em conta o preço.

Situa-se perto de restaurantes e tem um supermercado mesmo em frente. O hotel é grande mas antigo, e os funcionários são muito simpáticos. Optámos por um quarto com casa de banho privativa e sem pequeno-almoço incluído. Mas pode pagar à parte para ter esse extra.



Booking.com

O que realmente me fez mais confusão foi o chão do quarto. Era todo alcatifado, o que se tornava pouco higiénico. Para além da cortina da banheira, que com a ventilação agarrava-se ao nosso corpo, tornando também a coisa pouco higiénica. Mas pronto, em comparação com os preços dos alojamentos na cidade não me posso queixar muito.

Sinais luminosos

No centro de Viena, alguns semáforos para peões apresentam não o boneco sozinho, como é habitual, mas sim casais do mesmo sexo.

Esta alteração vem desde 2015, quando a capital austríaca recebeu o Festival Eurovisão da Canção. A iniciativa pretende apresentar uma cidade sem preconceitos e aumentar a segurança no trânsito, captando assim a atenção dos condutores e peões com símbolos pouco habituais.

Os sinais luminosos apresentam casais homossexuais, masculinos e femininos com corações. Eu achei a ideia super original e revolucionária. Já é altura de deixar os preconceitos de lado e inovarmos.

Limpeza

É raro passearmos em Viena e vermos lixo no chão. É muito raro mesmo. Viena prima pela limpeza contrastando com outras grandes cidades!
A maioria dos caixotes do lixo apresenta um recipiente ao lado, específico para se deixar os cigarros. É proibido, e sujeito a multa deitar beatas para o chão.

No centro da cidade existem várias charretes puxadas por cavalos que são uma opção turística para conhecer a cidade. Aqui é possível sentir um cheiro um pouco desagradável, mas é bem suportado uma vez que todas as ruas são limpas à noite. Há inclusive uns carros de limpeza especiais utilizados para esse fim.

Fezes de cão espalhadas na rua, ou até mesmo animais abandonados não vi. Os animais são muito bem tratados e protegidos. Arrisco até a dizer que não só as pessoas, mas também os seus animais são chiques 😛

Gastronomia

Prepare a conta bancária para comer em Viena. Viena no geral não é barata, pelo que também as refeições saem caras.

Eu não comi praticamente nada de comida típica de lá, por essa razão. Até uma refeição no Mc Donald’s é o dobro, quanto mais num restaurante 😛

Ainda assim provei o Schnitzel, que é um pedaço de carne panada e frita. Praticamente igual ao que nós chamamos de panado em Portugal. Normalmente é servido com batata frita e salada.

Comprei também na Billa (cadeia de supermercados) um Krapfen. Consiste num doce com diversos recheios. Fez-me lembrar muito a nossa Bola de Berlim, mas menos gorduroso. Eu provei com doce de alperce. É bom, mas não é nada do outro Mundo.

A Torta Sacher (Sachertorte) é a torta de chocolate mais famosa do Mundo, e como tal todos ficam curiosos por prová-la. Eu confesso que o meu forte não são os doces, mas até estava tentada a provar. No entanto, mudei de ideias quando vi o preço. A torta original é vendida no Cafe Sacher e cada fatia custa cerca de 7€ 😮

Provei também os chocolates típicos de lá, os Mozartkugeln. São bolinhas de chocolate de leite com vários recheios. Os chocolates são cobertos com papel e apresentam o rosto do Mozart. Eu gostei muito (sou doida por chocolate) 😉

Espero que estas dicas ajudem 😉 Boa viagem! Consulte aqui o roteiro completo de dois dias em Viena.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *