Marrocos

Roteiro: 1º dia em Fes

Chegámos a Fes já era de noite, pelo que pousámos as malas no Riad Malak e saímos apenas para comer qualquer coisa. Deitámo-nos super cedo, devido ao cansaço acumulado do tour que tínhamos feito.
Na verdade ficámos alojados três dias em Fes, mas decidimos fazer um bate-volta a Chefchaouen. Assim sendo, ficámos com dois dias para explorar a cidade. Deixo-vos o meu roteiro do 1º dia em Fes 🙂

Fes é uma das quatro cidades imperiais de Marrocos, a par com Rabat, Meknes e Marrakech. Apesar de Rabat ser a capital actual de Marrocos, em 1250 era Fes a sua capital. A partir daí assumiu um papel de liderança no universo cultural e científico no mundo islâmico.

Tomámos então um pequeno-almoço reforçado no Riad para enfrentar o 1º dia em Fes. Apesar de já ter um mapa com o trajecto delineado, de pouco vale dentro da medina. Mais uma vez, as ruas estreitas enchem-se de pessoas, locais e turistas. A medina de Fes tem mais de 1200 anos, actualmente conta com mais de 450 mil habitantes, e é classificada como Património Mundial da UNESCO.

Perdoem-me, mas não posso deixar de comparar com a medina de Marrakech. A Medina de Fes é mais pequena, mas muito mais confusa que a de Marrakech. É bem mais labiríntica, onde perder o rumo não é difícil (foi o que nos aconteceu, claro). Uma outra coisa que notei foi o facto de haver muito menos motas e bicicletas a circular. Os caminhos eram feitos essencialmente por pessoas e burros.

A primeira paragem do dia eram as Tanneries Chouara. Depois de alguma dificuldade, lá conseguimos chegar. Tratam-se de curtumes ou tinturarias, que apesar de serem uma actividade económica tipicamente marroquina, dando emprego a muita gente, são também algo muito turístico.
Existem três tinturarias em Fes, mas a de Chouara é a mais conhecida.

É aqui que as peles de vaca, carneiro e cabra chegam do matadouro e são tratadas em diferentes tanques. As peles são lavadas e ficam a secar no terraço. Para as cores fixarem melhor, nas peças são usadas fezes de pombo, daí o cheiro intenso e tão característico do local.

Depois de limpas, as peles são imersas em tanques com várias cores para serem tingidas. De notar, que os homens trabalham com parte do corpo mergulhada nas tintas. De louvar! Estes, mergulham as peças constantemente nos tanques com as misturas coloridas, passando por vários estágios de lavagem e imersão.

Depois disso, as peles ficam a secar nos telhados e terraços. Um processo e um trabalho nada fáceis, onde os homens ganham a vida arduamente, sem qualquer tipo de protecção, servindo no fundo de atracção turística aos olhos curiosos dos viajantes.

Para se ter uma perspectiva de cima, e por conseguinte, uma melhor visão, é recomendado subir ao terraço das lojas de produtos de couro. À entrada é-nos oferecido um raminho de hortelã, para irmos cheirando, e assim disfarçar o odor existente no local. Devo confessar que não achei o odor tão forte como descrevem. Não sei se tive sorte ou se fui num dia em que o cheiro não era assim tão intenso… Não sei! Mas achei o cheiro suportável.

Depois de subirmos umas quantas escadinhas apertadas, chegámos ao topo onde nos esperava um “guia” que nos queria explicar todo o processo de tratamento das peles. Educadamente, respondemos que não queríamos.
Assistir a este processo é gratuito, tal como a entrada nas lojas. Se não comprar nada, é de bom tom dar uma gorjeta ao dono da loja. Até porque eles vêm atrás de si até à porta.



Booking.com

Seguimos então o roteiro até à Mesquita Zaouiat sidi Ahmed Tijani. Tal como acontece em Marrakech, é proibida a entrada a não-muçulmanos nas mesquitas, pelo que temos de nos contentar a ver do lado de fora. Algumas têm porteiros, que gentilmente abrem a porta para os turistas verem o seu interior.

Esta mesquita é dedicada aos peregrinos vindos do oeste africano em direcção a Meca, a cidade sagrada para o Islamismo. A mesquita, do século 18, contém a tumba de Ahmed Tijani, fundador de uma das ordens do islã. Nesta mesquita consegui ver apenas um pouco do seu interior, pois estava a entrar gente. As cores dos vitrais da entrada são lindíssimas.

A próxima paragem foi a Madraça Attarine. Construída em 1325, a Madraça Attarine representa uma antiga escola corânica. As madraças têm um papel bastante importante, intelectual e científico, na cidade de Fes. Infelizmente esta só é aberta ao público fora do horário escolar, pelo que não consegui visitar.

Depois desta rápida passagem pela Madraça Attarine, já ia com os olhos postos no mapa para o próximo destino, quando oiço umas crianças a cantarolar dentro de um edifício que passava completamente despercebido. Esse local, com uma porta tão pequenina, era uma espécie de escola primária. Nesse momento as crianças estavam sim a decorar o Alcoorão, e não a cantar, como eu pensei. A professora disse-me para entrar e assistir. Foi um momento que me encheu o coração! Escusado será dizer que no final tive de dar uma “recompensa para os meninos”!

Depois deste momento tão especial, seguimos até à Zaouia Moulay Idriss II. Zaouia é um local onde se encontram tumbas. Aqui encontram-se os restos mortais do Santo Moulay Idriss II, fundador e padroeiro da cidade de Fes, pela segunda vez em 810.

É a este local que vão os noivos e noivas pedirem felicidade, os pais pedirem casamento para os filhos solteiros, as mulheres com dificuldade em engravidar, entre outros. No final deixam lá velas ou fazem oferendas em dinheiro.

Mais uma vez, a entrada no local só é permitida a muçulmanos. No entanto, o lugar é tão importante que a tumba possui uma conexão com a rua para que as pessoas possam tocar-lhe sem que necessitem entrar no templo.

Embaralhámo-nos pelos souks até a um dos cartões postais da cidade. Não me perguntem por onde passei, porque às tantas estávamos novamente no mesmo sítio 🤣 Esta Medina é muito confusa, mas no fundo é isso que tem piada! Finalmente lá chegámos ao nosso destino: a Mesquita de Qaraouiyine, a mais grandiosa das mesquitas, com capacidade para até 20 mil pessoas.

Esta mesquita foi fundada por Fatima al-Fihri, em 859. O seu nome provém do bairro que, na altura, era habitado pelos refugiados vindos de Kairouan (Tunísia).

Não é permitido o acesso ao seu interior para não muçulmanos. Ainda assim é possível espreitar pela grande porta aberta e vislumbrar o pátio em mármore e as paredes em mosaico. Ao centro está uma bela fonte que se enquadra em plenitude com o restante cenário.

Faça aqui o seu Seguro de Viagem e obtenha 5% de desconto

Ao lado da Mesquita fica a Universidade e a Biblioteca de Qaraouiyine. Esta foi considerada pelo Guiness World of Records a universidade mais velha do Mundo. Possui também uma biblioteca impressionante, fundada no século XIV, e que tem uma grande quantidade de manuscritos e livros raros.

Ironia das ironias: apesar de ter sido fundada por uma mulher, apenas recentemente foram aceites estudantes islâmicos do sexo feminino.

Fizemos uma pequena pausa para almoçar e descansar as pernas. Depois das energias repostas, estávamos prontos para palmilhar mais um pouco! A próxima paragem era a Fonte Nejjarine.

Esta é a mais famosa fonte, entre as muitas, da Medina de Fes. Feita de mosaicos, a fonte encontra-se muito bem conservada e ainda está em funcionamento.

Na mesma praça onde está a fonte, podemos ainda encontrar o Museu de Artes e Ofícios de Madeira de Nejjarine.

Este museu é um antigo fondouk restaurado. Da parte superior do terraço tem-se uma bela vista sobre a cidade. Aliás, de quase todos os terraços se tem vistas panorâmicas sobre a cidade. A entrada é paga.

O resto da tarde foi essencialmente para nos perdemos pelos souks e explorar um pouco fora da medina. As ruas, estreitas e labirínticas, levam-nos a recantos onde há sempre algo para ver, ou uma história para contar. Descobrimos esta rua, que apelidei eu própria de “Rua mais fofa de Fes”. Trata-se de uma rua onde passa pouco mais que uma pessoa, mas o chão, o tecto e as paredes estão pintados com várias cores. Um verdadeiro encanto!

Chegara a hora de jantar e experimentámos comer numa das ruas perto do nosso Riad. Já todos sabemos que devemos ter atenção à comida de rua, mas a banca estava rodeada de famílias marroquinas, pelo que isso nos diz logo que ali se come bem e barato. E assim foi. Ficámos de tal forma fãs, que jantámos lá quase todos os dias 🙂

O nosso 1º dia em Fes foi muito cansativo, mas facilmente nos adaptámos à cidade 🙂
Veja aqui dicas úteis para viajar em Marrocos

Resumo do dia:

  • Tanneries Chouara
  • Mesquita Zaouiat sidi Ahmed Tijani
  • Madraça Attarine
  • Zaouia Moulay Idriss II
  • Mesquita de Qaraouiyine
  • Universidade e a Biblioteca de Qaraouiyine
  • Fonte Nejjarine
  • Museu de Artes e Ofícios de Madeira de Nejjarine
  • Souks e explorar a parte de fora da medina
Consulte aqui o roteiro completo do 2º dia em Fes 🙂

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *